segunda-feira, 13 de abril de 2015

Sermão de Martin Luther King!

Sermão de Martin Luther King traduzido por João Cruzué 

"Qual de vós que terá um amigo e, se for procurá-lo à meia-noite, lhe disser: 
Amigo, empresta-me três pães, pois que um amigo meu chegou a minha casa, 
vindo de caminho, e não tenho o que lhe apresentar."


Embora esta parábola se relacione com o poder da oração persistente, ela pode também servir de base à nossa meditação sobre os problemas contemporâneos e o papel da Igreja em lidar com eles. É meia-noite na parábola e também é meia-noite em nosso mundo, onde as trevas são tão profundas que quase não conseguimos ver  o caminho certo a tomar.

É meia-noite dentro da ordem social. No horizonte internacional, as nações estão envolvidas em uma disputa amarga e colossal pela supremacia. Duas guerras mundiais já foram travadas dentro de uma geração e as nuvens de  outra guerra estão perigosamente baixas. A humanidade  tem agora armas atômicas e nucleares, que poderiam destruir completamente e em questão de segundos as principais cidades do mundo. No entanto, a corrida armamentista continua e os testes nucleares ainda explodem na atmosfera, com uma   sombria perspectiva de que o ar que respiramos será envenenado pela precipitação radioativa. Será que essas armas e  as circunstâncias trarão a aniquilação da raça humana?
Quando confrontados pela meia-noite na ordem social nós  nos voltamos para a ciência do passado pedindo ajuda. É de se admirar que em muitas ocasiões  a ciência nos salvou. Quando estávamos na meia-noite de limitação física e inconveniência material a ciência nos ergueu para uma manhã radiante de conforto físico e material.  Quando estávamos na meia-noite da ignorância e da superstição incapacitante, a ciência nos trouxe o amanhecer de uma mente livre e aberta. Quando estávamos na meia-noite de pragas e doenças terríveis, a ciência, através da cirurgia, saneamento e remédios milagrosos, inaugurou um luminoso dia para a saúde física, prolongando assim nossa vida com  maior segurança e bem-estar físicos. Como naturalmente nós voltamos para a ciência, no dia em que os problemas do mundo são tão medonhos e sinistros!

 Mas, infelizmente, a ciência não nos pode  salvar agora. Até mesmo  o cientista está perdido na meia-noite terrível da nossa era. Na verdade, foi a ciência que nos deu os próprios instrumentos que  agora ameaçam trazer um suicídio universal.  E assim o homem moderno enfrenta uma meia-noite sombria e assustadora na ordem social.
 Esta meia-noite no coletivo exterior da humanidade é comparada a meia-noite em sua vida privada e individual.  É meia-noite dentro da ordem psicológica. Em todos os lugares um medo paralisante assombra as pessoas durante o dia  e as assusta de noite. Nuvens espessas de ansiedade e depressão pairam suspensas em nossos céus mentais. Mais  e mais pessoas estão mais emocionalmente perturbadas hoje do que em qualquer outro momento da história humana.
As enfermarias de nossos hospitais estão  lotadas de psicopatas em  e os psicólogos mais populares de hoje são os psicanalistas. Os best-sellers de psicologia são livros do tipo” O homem Contra si mesmo”, "A Personalidade Neurótica de nosso Tempo",  e  O Homem Moderno em Busca de uma Alma. Best-sellers religiosos são livros do tipo:  A Paz mental e a Paz da Alma. Os pregadores populares  fazem sermões sobre "Como Ser Feliz" e "Como Relaxar." Alguns têm sido tentados a revisar os mandamentos de Jesus para depois ler, "Ide por todo o mundo, mantende a vossa pressão arterial  baixa, e eis que eu farei de vós uma personalidade bem ajustada." Tudo isso é indicativo de que é meia-noite  no íntimo das vidas   de homens e mulheres.
Também é meia-noite dentro da ordem moral. À meia-noite as cores perdem a nitidez   e  se tornam como uma sombra taciturna e cinzenta. Princípios morais perdem  suas particularidades. Para o homem moderno, o certo e o errado absoluto é uma questão do que a maioria esteja fazendo. O certo e o errado são relativos a gostos e desgostos e aos costumes de uma determinada comunidade. Nós inconscientemente aplicamos a teoria da relatividade de Einstein, que descreve adequadamente o universo físico ao reino da ética e da moral.
Meia-noite é a hora em que os homens procuram desesperadamente obedecer o décimo primeiro mandamento, "Não te deixarás  apanhar." De acordo com a ética da meia-noite,  pecado capital é  ser apanhado e a virtude cardeal é ser esperto. Tudo bem se mentir, mas é preciso mentir com finesse real. Tudo bem em roubar, se alguém se mantiver digno que, se for pego,  que a pena seja um desfalque, nunca um roubo. Também é  permitido  odiar, desde que se cubra o ódio com  vestes de amor de modo que  odiar  se pareça como amar. O conceito darwinista da sobrevivência do mais forte tem sido substituído por uma filosofia da sobrevivência do mais vivo. Esta mentalidade tem trazido um fracasso trágico aos padrões morais, a meia-noite de uma profunda degeneração moral.
 Como na parábola, assim também em nosso mundo hodierno, a profunda escuridão da meia-noite é interrompida pelo som de uma batida. Na porta da Igreja batem  milhões de almas. Nunca na história deste país o rol de membros da Igreja foi tão grande. Mais de 115 milhões de pessoas são membros, pelo menos no papel, de alguma igreja ou sinagoga. Isto representa um aumento de 100% desde 1929, embora a população tenha aumentado só 31%.
 Visitantes da Rússia Soviética, cuja política oficial é o ateísmo, relatam que as Igrejas naquela nação não  estão apenas lotadas, mas que a frequência continua crescendo. Harrison Salisbury, em um artigo no The New York Times, afirmou que os camaradas comunistas estão muito perturbados porque tantos jovens têm expressado um interesse crescente por igreja e religião. Depois de quarenta anos dos mais vigorosos esforços para suprimir a religião, a hierarquia do Partido Comunista enfrenta agora o fato inusitado de que milhões de pessoas estão batendo na porta da Igreja.
E este crescimento numérico não deve ser subestimado. Não devemos ser tentados a confundir o poder espiritual com grandes números. Jumboismo é como as pessoas chamam isto; é um padrão totalmente falacioso para medir a energia positiva. 
Um aumento em quantidade não traz automaticamente em um aumento na qualidade. Uma grande membresia não se traduz necessariamente em  aumento de comprometimento com o Cristo. Quase sempre uma minoria criativa e dedicada faz  um mundo melhor. Embora o aumento do número de membros da Igreja não reflita necessariamente um aumento concomitante no compromisso com a ética, milhões de pessoas sentem  que a igreja pode fornecer uma resposta à profunda confusão que envolve suas vidas. Ela ainda é um referencial aonde o viajante cansado da meia-noite vem. É uma Casa que está onde sempre esteve, uma casa que o  viajante da meia-noite  vem ou se recusa a vir. Alguns decidem em não vir. Mas aqueles que  estão vindo e batem estão procurando desesperadamente por um pouco de pão para saciá-los.
 O viajante pede por três pães. Ele quer que o pão da fé. Em uma geração de tantas decepções colossais, os homens perderam a fé em Deus, a fé no homem  e a fé no futuro. Muitos se sentem  como William Wilberforce, que em 1801 disse: "Não me atrevo a casar. O futuro é tão instável", ou como  William Pitt, que em 1806 disse: "Não há quase nada em volta de nós, a não ser ruína e desespero." No meio da desilusão incrível, muitos clamam pelo pão da fé.
Há também um profundo desejo pelo pão da esperança. Nos primeiros anos deste século, muitas pessoas não tinham fome deste pão. Os dias dos primeiros telefones, automóveis e aviões lhes trouxe um otimismo radiante. Eles adoravam no santuário de um progresso inevitável. Eles acreditavam que a cada nova conquista científica o homem se levantaria a níveis mais elevados de perfeição. 
Mas, então, uma série de acontecimentos trágicos, revelaram o egoísmo e a corrupção humana, ilustradas com clareza assustadora pela verdade do ditado de Lorde Acton: "O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente" Esta terrível descoberta levou a uma das mais colossais quebra de otimismo na história. Para muitos, jovens e velhos, a luz da esperança se foi e eles perambulavam cansados pelas câmaras escuras do pessimismo. Muitos concluíram que a vida não tinham mais sentido. 
Alguns chegaram a concordar com o filósofo Schopenhauer para quem a vida é uma dor sem fim com um final doloroso.  Ou que a vida é uma tragicomédia jogado várias e várias vezes com ligeiras alterações na roupa e cenário. Outros gritam como Macbeth, de Shakespeare, que a vida é um conto Contado por um idiota, cheia de som e fúria,  sem significado. Mas, mesmo nos momentos inevitáveis quando tudo parece sem esperança, os homens sabem que sem esperança eles não podem realmente viver, e em desespero agonizante clamam pelo pão da esperança.
E há o profundo desejo de o pão do amor. Todo mundo anseia amar e ser amado. Aquele que sente que não é amado sente que não conta. Muita coisa aconteceu no mundo moderno para fazer os homens se sentirem alienados. Vivendo em um mundo que se tornou opressivo e impessoal, muitos de nós têm chegado a sentir que são nada mais do que números. Ralph Borsodi  imagem capturada  em que números  substituíram as pessoas no mundo escreve que a mãe moderna é  maternidade caso 8434 e seu filho, depois da coleta das impressões digitais  torna-se o n º 8003, e que um funeral na cidade grande é um evento no Salão B com flores Classe B e decorações em que oficia o Pregador No. 14 e o Músico nº 84 canta Seleção n º 174. Perplexo com esta tendência para reduzir o homem a um cartão em um vasto índice, o homem procura desesperadamente o pão do amor. Quando o homem da parábola bateu na porta de seu amigo e pediu  três pães, ele recebeu uma resposta impaciente, "Não me incomode, a porta já está fechada, e  meus filhos estão comigo na cama, eu não posso me levantar e lhe dar qualquer coisa." 
Quantas vezes os homens experimentaram uma decepção semelhante à meia-noite, quando eles batem na porta da igreja. Milhões de africanos, pacientemente batendo na porta da igreja cristã, onde eles buscam o pão da justiça social, quer tenham sido completamente ignorados ou solicitado a esperar até mais tarde, ou seja, nunca. Milhões de negros norteamericanos, famintos por falta do pão da liberdade, têm batido de novo e de novo na porta das chamadas igrejas brancas, mas eles têm sido geralmente recebidos com uma fria indiferença ou uma hipocrisia descarada. Mesmo os líderes religiosos brancos, que têm um desejo sincero de abrir a porta e dar o pão, muitas vezes são mais cautelosos do que corajosos e mais propensos a seguir o expediente do que o caminho ético. Uma das tragédias vergonhosas da história é que a própria instituição que deve retirar o homem da meia-noite de segregação racial participa ao criar e perpetuar a meia-noite. 
Na meia-noite terrível, homens de guerra têm batido na porta da igreja para pedir o pão da paz, mas a igreja muitas vezes os têm desapontado. O que mais pateticamente revela a irrelevância da Igreja em assuntos atuais do mundo do que seu testemunho a respeito da guerra? Em um mundo enlouquecido com o acúmulo de armas, paixões chauvinistas e explorações imperialistas, a igreja ou tem aprovado essas atividades ou permanece terrivelmente silenciosa. Durante as duas últimas guerras mundiais, as igrejas nacionais funcionavam como  lacaios disponíveis ao Estado, aspergindo água benta sobre  navios de guerra enquanto uniam  exércitos poderosos ao cantar: "Louvado seja o Senhor e passe a munição." Um mundo cansado pedindo desesperadamente por paz, muitas vezes tem encontrado a igreja  sancionando moralmente a guerra.
E aqueles que foram a igreja para buscar o pão da justiça econômica têm sido deixados na meia-noite frustrante da privação econômica. Em muitos casos a igreja tem se alinhado com as classes privilegiadas e assim defendem o status quo dos que não estão dispostos a responder à batida à meia-noite. 
A Igreja Grega na Rússia aliou-se com o status quo e tornou-se tão intrinsecamente ligada ao regime czarista despótico que se tornou impossível de se livrar do corrupto sistema político e social sem ser livrar da igreja. Esse é o destino de cada organização eclesiástica que se alia com as coisas como elas são.
A igreja deve ser lembrada  que não deve ser nem mestra nem  serva do estado, mas sim a consciência do estado. Ela deve ser o guia e o crítico do Estado e nunca  sua ferramenta. 
Se a igreja não redescobrir seu zelo profético, ela vai se tornar um clube  social irrelevante e sem autoridade moral ou espiritual. 
Se a igreja não participar ativamente da luta pela paz e pela justiça econômica e racial, ela vai perder a lealdade de milhões e levar os homens em todos os lugares a dizer que atrofiou a sua missão. 
Mas se a igreja quiser ficar livre dos grilhões de um status quo mortal e, recuperar a sua grande missão histórica, vai falar e agir sem medo e com insistência, em termos de justiça e de paz de tal forma que irá incendiar a imaginação da humanidade e acender as almas dos homens, imbuindo-os com um amor fulgurante e ardente pela verdade, pela justiça e pela paz. Homens de longe ou  perto saberão que a igreja como um grande sociedade de amor que fornece a luz e o pão para os viajantes solitários da meia-noite.
 Ao falar da frouxidão da igreja não se deve ignorar o fato de que a chamada Igreja dos Negros também deixou homens desapontados à meia-noite. Eu digo assim -  a tão chamada igreja dos Negros porque idealmente não poderia haver uma Igreja de negros ou de brancos. É para sua eterna vergonha que os cristãos brancos desenvolveram um sistema de segregação racial dentro da Igreja, e infligiram tantas indignidades sobre os adoradores negros, que eles tiveram que organizar suas próprias igrejas.
Dois tipos de Igrejas dos  Negros têm falhado em  fornecer o pão. Uma queima com emocionalismo barato e a outra tem a frieza do classissismo. O primeiro, reduz o culto ao entretenimento, colocando mais ênfase no volume do que no conteúdo e confunde espiritualidade com musculosidade. O perigo de tal igreja é que os membros possam ter mais religião em suas mãos e os pés do que em seus corações e almas. À meia-noite deste tipo de igreja não tem a vitalidade nem a relevância do Evangelho para alimentar as almas famintas.
 O outro tipo de Igreja  dos Negros, que não alimenta nenhum viajante à meia-noite, desenvolveu um sistema de classe para se orgulhar de sua dignidade, da participação de profissionais e sua exclusividade . Em tal igreja o culto é frio e sem sentido, a música é monótona e sem inspiração, e o sermão pouco mais do que uma homilia sobre eventos atuais. Se o pastor diz muito sobre Jesus Cristo, os membros sentem que ele está roubando a dignidade púlpito. Se o coro canta um negro spiritual, os membros afirmam que é  uma afronta à sua condição de classe. Este tipo de igreja tragicamente falha em reconhecer que a eadoração no seu melhor é uma experiência social em que as pessoas de todos os níveis de vida se unem para afirmar a sua unicidade e unidade sob Deus. À meia-noite os homens são completamente ignorados por causa de sua educação limitada, ou  a eles são dados o pão que foi endurecido pelo inverno da mórbida consciência de classe.
Na parábola, notamos que após decepção inicial do homem, ele continuou a bater na porta de seu amigo. Por causa de sua importunação e persistência,  finalmente ele convenceu o amigo a abrir a porta. 
Muitos homens continuam a bater na porta da igreja à meia-noite, mesmo após a igreja ter tão amargamente os  desapontado, porque sabem que o pão da vida está lá. A igreja hoje é desafiada a proclamar o Filho de Deus, Jesus Cristo, para ser a esperança dos homens em todos os seus complexos problemas pessoais e sociais. 
Muitos vão continuar a vir em busca de respostas para os problemas da vida. Muitos jovens que batem na porta ficam perplexos com as incertezas da vida, confuso por decepções diárias, e desiludidos com as ambiguidades da história. Alguns  têm sido tirados de suas escolas e carreiras e escalados para o papel de soldados. Devemos dar-lhes o pão fresco de esperança e imbuí-los com a convicção de que Deus tem o poder de trazer o bem do mal. 
Alguns que vêm são torturados por uma culpa persistente resultante da sua peregrinação na meia-noite do relativismo ético e sua rendição à doutrina da autoexpressão. Devemos levá-los a Cristo, que irá oferecer-lhes o pão fresco do perdão. Alguns que são atormentados por bater o medo da morte como se eles se movessem na direção do entardecer da vida. Devemos dar-lhes o pão da fé na imortalidade, para que eles possam perceber que esta vida terrena é apenas um prelúdio embrionário para um novo despertar.
Meia-noite é uma hora confusa quando é difícil ser fiel. A palavra mais inspiradora que a Igreja deve falar é que nenhuma meia-noite dura permanentemente. O viajante cansado da meia-noite que pede pão está realmente buscando o amanhecer. Nossa eterna mensagem de esperança é que a aurora chegará. 
Nossos antepassados escravos perceberam isso. Eles nunca se esqueceram dos fatos da meia-noite, em que havia o chicote de couro cru do supervisor e da praça do leilão, onde as famílias foram desfeitas para lembrá-los de sua realidade. 
Quando eles se achavam aa escuridão agonizante da meia-noite, eles cantavam:
Ah, ninguém sabe dos problemas que eu já  vi,
 Aleluia Glória!
Às vezes eu estou em cima, às vezes eu estou para baixo,
Oh, sim, Senhor, às vezes eu estou quase no pó,
 Oh, sim, Senhor,
Oh, ninguém sabe de problemas que eu já vi, !
 Aleluia Glória.
Cercados por uma assustadora meia-noite, mas de manhã acreditando que viria, eles cantavam: 
Eu estou tão feliz por que os problemas não duram para sempre.
Ó meu Senhor, ó meu Senhor, o que eu devo fazer? 
Sua crença positiva na madrugada foi a borda de uma esperança crescente, que manteve os fiéis escravos no meio das circunstâncias mais áridas e trágicas. 
Fé na aurora decorre da fé  de que Deus é bom e justo. Quando se acredita nisso, sabe-se que as contradições da vida não são nem as penúltimas nem as últimas . Pode-se andar pela noite escura com a convicção radiosa de que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus. Mesmo a meia-noite mais sem nenhuma estrela pode anunciar a aurora de uma grande realização.
O amanhecer virá. Decepção, tristeza, desespero  nascem à meia-noite, mas na manhã seguinte vão embora. "O choro pode durar uma noite", diz o salmista, "mas a alegria vem pela manhã." Esta fé suspende as assembleias dos desesperançados e acende uma nova luz dentro das câmaras escuras do pessimismo.

*Este sermão foi pregado em 11 de junho de 1967





___________________________________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...